NAS ASAS DA AVENTURA


A idéia de liberdade sempre esteve presente, quando o assunto é voar. Uns voam por profissão, outros por diversão e há aqueles que, como o colaborador Marcus Mello, encontram na arte de voar um meio de alcançar a liberdade e de experimentar novas sensações. Leia a entrevista abaixo e descubra também o prazer de voar. Boa leitura e bons vôos!!!

Readme - Quando começou a paixão pelo vôo?
Marcus - Desde que me entendo por gente. Lembro quando tinha uns 6 ou 7 anos, tinha sonhos recorrentes de que podia voar. Queria entrar para Aeronáutica, e depois para a Varig, mas quando cheguei perto do objetivo, vi que não queria "trabalhar" com isso, apenas queria voar.

Readme - Como foi voar pela primeira vez?
Marcus - Voei num ultraleve pela primeira vez, em 1988. Era um modelo muito simples, sem cabine ou carenagens, só barulho e vento na cara ... Sobrevoamos minha cidade natal (Santo Antônio de Pádua, no Noroeste Fluminense). Eu via os prédios e ruas olhando para baixo, por entre as pernas ... Não tive medo, e pensei: Eu nasci para isso.

Readme - Você se define como um adepto dos esportes radicais?
Marcus - Particularmente não gosto de esportes radicais. Na verdade, não considero o vôo de ultraleve um esporte "radical". Normalmente, não há muita adrenalina durante o vôo. Aliás, acho mesmo que ela não é muito bem vinda, pois, das vezes que senti, estava sob fortes e inesperadas rajadas de vento, e a adrenalina só me foi útil para ajudar na concentração e retomada do controle do aparelho.

Readme - Você tem alguma superstição antes dos vôos?
Marcus - Comecei a voar com um tênis velho. Sempre voei com ele. Quando ficou velho demais, eu o levava numa bolsa, e só o colocava quando já estava no aparelho. O outro tênis ia "de carona" para ir "aprendendo", para ir "se acostumando". Com o passar do tempo, o tênis "carona" passou a pilotar, enquanto o "velho" ia ao lado.

Readme - Você se considera uma pessoa que "vive nas nuvens"?
Marcus - Sou uma pessoa muito metódica, e racional. Meus gastos são muito controlados, e procuro cumprir meus compromissos da melhor maneira possível. O único comportamento "diferente" estaria em parar para contemplar a natureza nos momentos mais exóticos possíveis.

Readme - Qual é a sensação de poder voar? Em que você pensa?
Marcus - O grande barato do vôo está no "PODER" ! No "poder" de voar, de dominar o ambiente, de estar num lugar fantástico. "Andar", no ar, não é como andar na terra. Você fica no meio do nada. Você domina o impossível, o invisível. Voar é mais importante que tudo, está acima das nossas mazelas, dos nossos problemas, das nossas contas mensais. Voar é regozijar a vida, é participar do milagre da natureza.